Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Locais de passagem de Mandela ainda são locais de exclusão social

Locais de passagem de Mandela ainda são locais de exclusão social
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pequenas casas e barracas onde deambulam jovens sem trabalho. Uma paisagem típica do município de Alexandra, nos arredores de Johannesburgo.
Este lugar não beneficiou tanto dos anos pós-apartheid como o famoso Soweto.
O desemprego é enorme e as infraestruturas e os serviços escasseiam, uma prova da crescente brecha entre ricos e pobres na África do Sul.

No entanto, a população tem um grande orgulho do legado de Mandela, como por exemplo, da casa onde costumava esconder-se quando lutava contra o apartheid, antes de ser detido.
Desde então, Martha, a vizinha do lado, recorda como receava também pelos seus filhos, que participaram nos distúrbios estudiantis de 1976..

Martha Clearens Letsoalo, reformada:

“Nelson Mandela significa tudo para nós. Ainda o amamos e precisamos dele.”

O neto de Martha, Tumi, é um dos líderes da comunidade juvenil. Dirige um ginásio com um objetivo. É um reconhecido culturista e motivo de orgulho em todo o município, mas o que quer mesmo é tornar o desporto acessível a todos os jovens. É a sua via para a igualdade de oportunidades e luta contra a exclusão.

Tumi Masite:

“Já não há desportos nas escolas, os professores não motivam os alunos para se manterem afastados das drogas e do álcool. A minha inspiração e a inspiração para todo o ginásio é esta. O meu desejo é ser como ele. Conseguir que a comunidade adote um estilo de vida saudável pode ser muito positivo.”

O museu do Património, abandonado em plena construção, é o melhor exemplo da falta de serviços. Em 2003, foram destinados mais de 100 milhões de euros para a renovação do município, mas os habitantes afirmam que o dinheiro se perdeu no mar da corrupção…

Quando terminou o apartheid, Frans iniciou um negócio. Abriu uma loja em 1994. Madiba, diz, devolveu aos sul-africanos a liberdade. Mas falta muito para fazer e a maioria consiguir os objetivos:

Frans Kekana:

“O dinheiro é o dinheiro, porque a liberdade não se come. Preciso de dinheiro para comer e, para ter dinheiro, tenho de trabalhar. O que há a fazer agora é dar poder aos cidadãos”

A correspondente da euronews, Valerie Gauriat, conclui:

“O município de Alexandra reflete, sem dúvida, os paradoxos da sociedade sul-africana: orgulhosa da liberdade adquirida e do legado de tolerância que deixou Mandela, mas minada por problemas sociais e económicos que continuam a marginalizar grande parte da comunidade negra.”