Última hora

UE saúda promessa de explicações mas está bastante preocupada com espionagem dos EUA

UE saúda promessa de explicações mas está bastante preocupada com espionagem dos EUA
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia saudou a decisão dos Estados Unidos de esclarecer as suspeitas de espionagem efetuada pelos norte-americanos às instituições comunitárias, mas sublinhou também a sua “grande preocupação”.

Bruxelas exigiu uma “clarificação completa” das alegações feitas por vários jornais.

O presidente do Parlamento Europeu afirma que, “a confirmar-se, constituiriam um duro golpe para a confiança e motivo para um protesto energético”. Martin Schulz diz que percebe “a necessidade de medidas preventivas contra o terrorismo, que requerem a participação dos serviços secretos”, mas sublinha que “as instituições europeias não planeiam ataques terroristas”.

Em visita oficial à Tanzânia, o presidente norte-americano prometeu disponibilizar “toda a informação” requerida pelos europeus, mas desdramatizou a polémica.

Barack Obama frisou que “há uma coisa que quaisquer serviços secretos, não apenas os norte-americanos, mas também os europeus, asiáticos ou quaisquer outros, farão: vão tentar perceber melhor o mundo e aquilo que se passa nas capitais mundiais, a partir de fontes que não estão disponíveis em meios como o New York Times ou a NBC”.

Segundo o diário britânico The Guardian e o alemão Der Spiegel, os Estados Unidos espiaram a União Europeia, a ONU e as embaixadas de França, Itália e Grécia em Washington.

O embaixador lituano na capital norte-americana acredita que isso “não terá um impacto nas relações – globalmente bastante boas – com os Estados Unidos”.

Mas o correspondente da euronews em Washington, Stefan Grobe, explica que se “oficialmente, não se fazem comentários, em privado as reações variam entre a incredibilidade e a ira, passando pelo embaraço, o que não é um bom augúrio para as negociações comerciais entre os Estados Unidos e a União Europeia que tem início na próxima semana”.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.