Última hora
This content is not available in your region

Golpe no Egito foi uma "impugnação popular", diz Amr Moussa

Golpe no Egito foi uma "impugnação popular", diz Amr Moussa
Tamanho do texto Aa Aa

No Egito, a multidão continua a juntar-se na Praça Tahrir, no Cairo, para celebrar o afastamento do presidente Mohamed Morsi.

O presidente, afeto à Irmandade Muçulmana, foi deposto por um golpe militar, depois de meses de protesto por parte da população, que pedia um governo laico. Morsi tinha sido o primeiro presidente eleito desde o afastamento de Hosni Mubarak no início de 2011.

“Estou aqui porque estou muito contente pelo Egito. Tenho a impressão de ter o meu país de volta. Nunca gostei de nada vindo da Irmandade Muçulmana e, pela primeira vez em 50 anos, sinto calor no coração”, diz uma mulher presente nos festejos.

A opinião pública internacional está dividida: uns apoiam o golpe, outros apontam o facto de Morsi ser, afinal de contas, um presidente democraticamente eleito.

O antigo presidente da Liga Árabe e chefe da diplomacia egípcia, Amr Moussa, apoia o golpe militar: “Esta foi uma impugnação popular do presidente. Não começou com a ação do exército, nem foi o resultado de uma reunião entre uns quantos oficiais, que decidiram fazer isto ou aquilo. Foi o povo que insistiu que não queria mais um ano de falhanços”.

O presidente interino, Adli Mansour, já tomou posse e apelou à participação da Irmandade Muçulmana no novo quadro político do Egito.