Última hora
This content is not available in your region

Atrás das barricadas da resistência islâmica no Cairo

Atrás das barricadas da resistência islâmica no Cairo
Tamanho do texto Aa Aa

Cairo, campo de Rabaa al-Adawiya, um dos centros de resistência islamita na capital egípcia contra o golpe militar que derrubou o presidente Mohamed Morsi.

Apesar dos apelos do governo à desmobilização, os apoiantes da Irmandade Muçulmana prometem não arredar pé e convocaram uma mobilização maciça, esta sexta-feira, para voltar a exigir o regresso ao poder do presidente legitimamente eleito.

Do outro lado da praça Tahrir, próximo da universidade, está instalado o campo de Al-Nahda, o segundo centro da revolta islâmica na capital.

Nas últimas semanas, desde a queda de Morsi no dia 3 de junho, já morreram quase 300 pessoas quando os protestos deram lugar à violência.

A euronews visitou o campo de Rabaa al-Adawiya, no nordeste da capital. Em véspera de nova manifestação, o espaço estava semidesértico, facto a que não é alheio estarmos no mês do Ramadão. O campo foi limpo para facilitar o acesso de ambulâncias e, um pouco por todo o lado, acumulam-se pneus, pedras e outros artefactos que poderão vir a servir de arma contra os tanques e os militares.

Um segurança do campo mostra-nos os sacos de areia empilhados que, segundo diz, servem para proteção das “pedras e das balas”. Em caso de ataque “com recurso a mercenários, a segurança do campo pode abrigar-se atrás destas barreiras e iniciar a resistência”. Como arma de defesa, mostra-nos um bastão de madeira. Os militantes da Irmandade, afirmam estar prontos para “morrer em nome da legitimidade”.

Sente-se uma tensão escaldante por detrás de uma imagem de calma aparente.

Os manifestantes em Rabaa al-Adawiya passam a mensagem que estão determinados a sobreviver e prontos para o confronto, enquanto o ministério do Interior prepara legislação para acabar com os campos, deixando antever um confronto sangrento que os egípcios muito receiam.