Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Feridas abertas um ano após o massacre de Marikana

Feridas abertas um ano após o massacre de Marikana
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Passou um ano sobre o massacre na mina de Marikana, na África do Sul, e a cerimónia, realizada esta sexta-feira, pôs em evidência as feridas ainda por sarar no país.

No último momento, o governo e o sindicato ligado ao ANC, o partido do presidente Jacob Zuma, decidiram não participar para não criar mais polémica e violência.

Por entre cânticos e orações, milhares de pessoas ouviram o presidente da União de Igrejas sul-africanas, o bispo Johannes Seoka, deixar um apelo à unidade: “Não podemos pedir paz onde não há justiça. Não devemos esquecer que a morte dos camaradas não nos deve dividir, mas unir-nos enquanto trabalhadores”.

Um ano depois, os resultados do inquérito do governo tardam a ser conhecidos e um mineiro afirma: “É devastador o que a polícia fez, matar os nossos irmãos que pediam salários decentes à empresa. É triste e preocupante e não devemos esquecê-los, porque as suas famílias ainda sofrem e ainda não sabemos nada”.

As cerimónias decorreram no local exacto onde há precisamente um ano a polícia matou 34 mineiros que, juntamente com centenas de outros, reivindicavam, há várias semanas, melhores salários.

Um ano depois, o presidente da Lonmin, o grupo britânico que explora a mina de platina, pediu perdão.