Última hora
This content is not available in your region

Inundações atingem níveis históricos no Extremo Oriente russo

Inundações atingem níveis históricos no Extremo Oriente russo
Tamanho do texto Aa Aa

As inundações no Extremo Oriente russo estão a bater recordes. O rio Amur galgou as margens e mais de 24 mil pessoas foram retiradas de casa. A cidade de Khabarovsk é uma das mais afetadas com a subida das águas a atingir níveis sem precedentes desde que há registo, ou seja, há 118 anos. Os habitantes lutam como podem. “Acabei de ir à loja comprar botas de borracha, mas já não servem para nada”, comenta um residente.

Até agora, os sacos de areia serviram para criar dez quilómetros de barreiras para estancar a água. O problema é que os serviços de meteorologia da região alertam que o pior ainda está para vir. Denis Ilyinov, dos serviços de emergência da região, declarou: “Os especialistas esperam que o pico das inundações seja a 25 de agosto. Isso não significa que os níveis comecem a baixar porque vão estabilizar por uns tempos e só depois começarão a baixar”.

Desde fins de julho, as chuvas torrenciais não têm dado tréguas ao Extremo Oriente russo, fazendo transbordar o rio Amur, na fronteira com a China. Cerca de 6500 casas e meia centena de pontes ficaram submersas. O Governo estima que a agricultura regional tenha sofrido perdas na ordem dos 200 milhões de euros e que 575 mil hectares de terras cultivadas tenham ficado destruídas.