Última hora
This content is not available in your region

Armas químicas, uma história com praticamente 100 anos.

Armas químicas, uma história com praticamente 100 anos.
Tamanho do texto Aa Aa

Foi durante a primeira guerra mundial que as armas químicas foram utilizadas pela primeira vez em grande escala. Alemães e franceses utilizaram este tipo de arsenal para combater o inimigo. O primeiro ataque maciço foi lançado em abril de 1915 perto de Ypres, na Bélgica. O cloro e o fosgénio foram os gases utilizados para asfixiar os soldados no campo adverso. 100 000 morreram; mais de um milhão viveu com as sequelas destes ataques até ao fim da vida.

Depois do teste que foi a primeira guerra mundial, muitos países criaram programas de produção de armas químicas.

Na Alemanha, os químicos nazis criaram um pesticida à base de ácido cianídrico chamado Zyklon B que era utilizado nas câmaras de gás dos campos de concentração. O Zyklon B foi responsável pela morte de milhões de judeus, ciganos e homossexuais.

Nos anos 60, durante a guerra do Vietname, os Estados Unidos utilizaram uma mistura de herbicidas à qual chamaram Agente Laranja. Este desfolhante químico era inicialmente utilizado para destruir os campos de cultivo e deixar sem víveres as populações vietcongues. No entanto, foi responsável por graves queimaduras na população e sobretudo teve consequências genéticas que ainda hoje são visíveis.

Nos anos 80, foi Saddam Hussein quem recorreu a este tipo de arma. Em primeiro lugar, na guerra com o Irão; depois contra a população curda do norte do Iraque, nomeadamente o massacre levado a cabo na localidade de Halabja, em março de 1988. Milhares de civis curdos perderam a vida neste ataque químico.

Mas este não foi o único ataque exclusivamente dirigido contra civis. No Japão, em plena capital, membros da seita apocalíptica Aum Shinrikkyu lançam um ataque no metro de Tóquio com gás sarin. 12 pessoas morreram e 5000 ficaram feridas. As consequências deste ataque podiam ter sido bem mais devastadoras.

A partir daqui muitos países tomaram consciência dos riscos inerentes a este tipo de atentado e começaram a criar unidades antiterrorismo especializadas em ataques químicos e biológicos.

No conflito sírio, a utilização de armas químicas é evocada em dezembro de 2012. A oposição síria acusa o regime de Bashar al-Assad de lançar um ataque químico, em Homs, no dia 23 de dezembro. Nesta altura, muitos países ocidentais afirmavam que as ações de Damasco podiam desencadear uma intervenção militar.