Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Sistema social nórdico está sob ataque

Sistema social nórdico está sob ataque
Tamanho do texto Aa Aa

O generoso sistema de segurança social dos países nórdicos tem os dias contados.

O ministro dinamarquês da Economia, Bjarne Corydon, reconhece que o sistema começa a ser demasiado caro e que os cidadãos têm de apreender que os “privilégios têm um custo”.

A Dinamarca, a menor das economias escandinavas, contraiu 0,2% no primeiro semestre e a dívida equivale a 45% do PIB. Para preservar o défice e a nota “AAA”, o governo já cortou para metade (para dois anos) a duração do subsídio de desemprego, mas, segundo o ministério da Economia, há 250 mil pessoas que preferem ficar em casa com subsídios a procurar emprego.

O sistema dinamarquês é o segundo mais caro entre os países da OCDE, com as despesas previstas para 2013 a representarem 30,8% do PIB. No topo da lista está a França, com o sistema a custar 33% do PIB. Surgem depois Bélgica (30,7%), Finlândia (30,5%) e Suécia (28,6%), enquanto a média da OCDE é de 21,9%.

Portugal gasta 26,4% do PIB com o sistema de segurança social.

Também a Finlândia quer reduzir o respetivo sistema social, face ao envelhecimento da população e à contração da economia que está a fazer subir o défice.

Segundo o governo, o ratio da dívida deverá atingir, em 2015, os 59,9%, no limite do endividamento previsto pela União Europeia.

Os impostos finlandeses são já os mais elevados do mundo e, para preservar um sistema, com educação e saúde públicos, a solução é levar as pessoas a trabalharem mais ou a baixar os benefícios.

O governo quer, por exemplo, reduzir as ajudas aos estudantes, para os incentivar a entrar no mercado laboral. O plano prevê também alterar a política de natalidade, para que as mulheres regressem rapidamente ao ao trabalho, e aumentar a idade da reforma dos 60 para os 62,4 anos.