A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Exército da RD Congo região de onde os rebeldes retiraram

Exército da RD Congo região de onde os rebeldes retiraram
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O exército da República Democrática do Congo (RD Congo) ocupou a área, no leste do país, de onde os rebeldes retiraram para permitir uma investigação das Nações Unidas a vários ataques lançados contra a população civil, na semana passada.

O governo de Kinshasa responsabilizou os guerrilheiros do movimento M23 pelo lançamento de obuses que mataram diversos civis. As autoridades afirmam que o ataque foi lançado a partir do Ruanda enquanto que os rebeldes dizem que foram as forças armadas da República Democrática do Congo a atingir a população civil na cidade de Goma, no leste do país. Os responsáveis congoleses acusam também o Ruanda de “crimes de guerra”.

O movimento M23 é formado por soldados congoleses que desertaram do exército e que protagonizam, há 18 meses, uma revolta na zona leste do país, uma região rica em minérios.

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton está “muito preocupada” com a escalada da violência na região de Goma, depois da morte de um ‘capacete azul’ e condenou as “tentativas de internacionalizar o conflito”.

As guerras, a fome e as doenças mataram milhões de pessoas no leste do Congo nas últimas duas décadas e fizeram um sem número de refugiados. Nesta região dos Grandes Lagos mata-se pelo controlo de importantes reservas de ouro, diamantes e estanho.