Última hora
This content is not available in your region

França mantém determinação em avançar com operação internacional na Síria

França mantém determinação em avançar com operação internacional na Síria
Tamanho do texto Aa Aa

“Ninguém nega a realidade do ataque químico no dia 21 de agosto, nem a responsabilidade do regime de Damasco”.

Palavras proferidas pelo primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, no final de uma reunião com os responsáveis dos grupos parlamentares.

O governo prometeu apresentar provas que incriminam o regime sírio e que confortam a determinação de Paris.

“Na quarta-feira haverá um debate sem voto, porque de qualquer forma a decisão final só poderá ser tomada pelo presidente da república quando for constituída a coligação que poderá conduzir uma ação que comporte uma mensagem de firmeza, de que não será possível no futuro usar armas químicas na Síria pelo ditador Bashar al-Assad contra o seu próprio povo”.

Antes do debate no parlamento, está instalado o debate no país. A oposição pede um voto na assembleia nacional.

Em Bruxelas, o secretário-geral da NATO também não tem dúvidas sobre as implicações de Damasco no ataque com armas químicas. Anders Fogh Rassmussen disse, em conferência de imprensa:
“Posso dizer-vos que eu estou pessoalmente convencido, não apenas de que houve realmente um ataque químico, mas também de que o regime sírio é responsável”.

A Rússia essa continua a mostrar-se convencida do contrário. Juntando a voz ao governo, um grupo de deputados russos quer ir a Washington pedir ao congresso norte-americano que não apoie os planos de ataque militar do presidente Barack Obama

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.