Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Oradour-sur-Glane, a aldeia mártir

Oradour-sur-Glane, a aldeia mártir
Tamanho do texto Aa Aa

Estas são ruínas que falam e contam a história do maior massacre feito pelos nazis na França ocupada. A 10 de junho de 1944, Oradour-sur-Glane, perto de Limoges, torna-se numa aldeia-fantasma quando uma unidade das SS mata 642 pessoas, incluindo 207 crianças. Os militares iam em direção à Normandia para reforçar as defesas alemãs.

Quatro dias antes, tinha acontecido o dia D, o desembarque das tropas aliadas na Normandia. É o começo do fim da ocupação da Europa pelos nazis.

A segunda divisão blindada das SS, batizada divisão “Das Reich”, é chamada como reforço. A coluna militar para nesta aldeia, a 20 quilómetros de Limoges, por razões ainda hoje desconhecidas.

Os soldados juntam a população, depois separam as mulheres e crianças para um lado e os homens para o outro. Um dos grupos é conduzido para uma quinta. Robert Hébras, um dos sobreviventes, tinha então 19 anos: “Estou neste sítio com os meus camaradas. Ouve-se uma detonação e depois os tiros, começamos a cair uns sobre os outros. Cobrem-nos com tudo o que possa arder, feno, palha, e ateiam o fogo. Quando o fogo me começou a atingir, tomei a decisão de fugir”, conta.

A irmã e a mãe estavam entre as 207 crianças e 247 mulheres que foram gaseadas e queimadas na igreja da aldeia: “Para mim, o drama de Oradour está neste local. Foi aqui que as mulheres e crianças foram executadas friamente”, diz Hébras.

Heinz Barth, subtenente das Waffen SS, reconheceu no julgamento, em 1983, ter dado a ordem de abrir fogo e ter morto, pessoalmente, entre 12 e 15 aldeões. Foi o único participante no massacre a ser condenado, neste caso à prisão perpétua. Foi libertado em 1997, devido à idade avançada, e morreu 10 anos depois. Antes de ser julgado, viveu durante 40 anos sob identidade falsa, na RDA.

Foi também o único criminoso nazi a ser julgado na antiga Alemanha Oriental.

Jean-Marcel Darthout, outro sobrevivente, esperou muitos anos por um reconhecimento oficial do massacre, por parte dos alemães: “Finalmente, reconhecem que Oradour existiu. Porque, durante muitos anos, nada disto foi verdade para os alemães”

A aldeia nunca foi reconstruída. A pedido de De Gaulle, foi deixada em ruínas para perpetuar a memória. Uma nova aldeia foi construída ao lado.