Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Obama procura apoio para atacar a Síria

Obama procura apoio para atacar a Síria
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Casa Branca está a cada vez mais isolada em relação ao aumento das críticasda oposição a uma intervenção militar contra Bachar al Assad. Segundo uma sondagem IPSOS-Reuters, realizada na semana passada, 56% dos norte-americanos estão contra, e só 19% apoiam o presidente numa possível intervenção.

Na terça-feira, Obama vai tentar, outra vez, convencer a opinião pública, com mais argumentos.

No sábado, dia 7 do corrente, o presidente norte-amercano, salientou:

“Não estamos a falar de uma intervenção aberta. Não será outro Iraque nem outro Afeganistão. Não vai haver botas norte-americanas em terreno sírio. Toda a ação, que estará limitada no tempo e no alcance, procura dissuadir o governo sírio a não gasear o próprio povo e adiminuir a capacidade de o fazer.”

Também será difícil, para o presidente, convencer os congressistas dos dois partidos, que propõem objeções tão sólidas como a do representante republicano do Texas, Michael McCaul:

“A partir do momento em que se entra, entra-se, A partir do momento em que atacamos, praticamos um ato de guerra. As pequenas guerras começam as grandes guerras. Temos de ter isso presente. E temos de ter muito cuidado. E outra coisa que me preocupa muito, e que ainda não foi mencionada, é: quem vamos nós apoiar nesta guerra? Estamos a apoiar uma fação rebelde, a causa rebelde, que está infiltrada e manipulada por muitas fações da Al Qaida “.

Segundo o jornal “The Washington Póst”, só uma quarta parte dos senadores está decidida a votar pela intervenção, ou seja, 17, contra o resto, ainda indecisos.

Na Câmara dos Representantes, o Sim conta com 25 votos garantidos, enquanto o Não está nos 111, com 299 congressistas ainda indecisos.

Em Agosto de 2012, Obama afirmou que o recurso a armas químicas seria a linha vermelha que Bachar Al Assad não devia pisar, sob risco de uma intervenção militar norte-americana. No entanto, várias fontes indicam que as armas químicas utilizadas estavam nas mãos dos rebelde e não de Bashar.

Luke Coffey, especialista em assuntos do Médio Oriente, constata:

“O que vemos agora é um presidente que se tornou refém de definições que criou como a linha vermelha das armas químicas, e agora está a deparar-se com uma grande falta de apoio no reforço desta linha vermelha”.

Por outras palavras, o presidente já devia ter começado, há muitos meses, a trabalhar para obter o apoio dos congressistas na defesa da chamada linha vermelha que estabeleceu em relação ao conflito da Síria.