Última hora
This content is not available in your region

Membro da Aurora Dourada acusado de matar músico antifascista

Membro da Aurora Dourada acusado de matar músico antifascista
Tamanho do texto Aa Aa

O homem que confessou ter morto o músico grego antifacista já foi presente a tribunal e foi acusado de homicídio. O homem de 45 anos foi detido na posse de uma arma branca pouco depois do ataque, confessou o crime e disse pertencer ao partido neonazi, Aurora Dourada. Os responsáveis do partido já negaram qualquer ligação a este caso e dizem mesmo que estão a ser alvo “exploração política”.

Recorde-se que “rapper” de 34 anos, simpatizante de movimentos de extrema-esquerda, morreu na madrugada desta quarta-feira, depois de ter sido esfaqueado pelo membro do Aurora Dourada. Pavlos Fyssas era conhecido no meio artístico do país como Killah P e terá discutido com o agressor num café no bairro de Amfiali, no subúrbio de Keratsini. Fyssas ainda conseguiu dizer à polícia o nome do homem que o atacou, mas acabou por morrer pouco depois de ter sido levado para o hospital Tzanneio.

Este incidente acendeu ainda mais a contestação na Grécia onde já havia manifestações contra a austeridade. “Fascismo nunca mais” – era uma dos frases gritadas durante os protestos que ocorreram um pouco por toda a Grécia: para além da capital, houve manifestações em Salónica (norte) e Patras (oeste). Estes protestos acabaram em confrontos com a polícia. Em Atenas, a polícia disparou granadas de gás lacrimogéneo para tentar dispersar manifestantes. Em Salónica e Patras, os centros das cidades foram fechados pela polícia de choque.