Última hora

Alemanha: A Europa à espera

Alemanha: A Europa à espera
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em Bruxelas, tal como numa boa parte da União Europeia, os olhares estão postos na Alemanha. Das eleições federais dependem muitos projetos, como a união bancária, os planos de estímulo ao crescimento ou ainda a defesa comum.

Hoje, nenhuma decisão importante em Bruxelas é tomada sem haver uma posição clara da chancelaria em Berlim. A esperança de muitos europeus é que essas decisões sejam tomadas depois das eleições.

A chanceler Angela Merkel tem a confiança da maioria dos alemães e deve garantir-lhe a reeleição. Merkel representa, para eles, que o país está em boas mãos. Os temas europeus foram deixados de fora desta campanha eleitoral.

Só o partido de esquerda Die Linke e os eurocéticos da Alternativa para a Alemanha, um partido anti-euro que tem vindo a subir nas sondagens, é que têm dado algumas dores de cabeça à chanceler, no que toca aos assuntos europeus.

Para muitos alemães, a prioridade da campanha eleitoral foi outra: “O salário mínimo. Para trabalhar por tão pouco dinheiro, quase não vale a pena trabalhar”, diz uma alemã.

“A europa não esteve no centro desta campanha eleitoral e não penso que seja sequer uma ideia com raízes na sociedade”, diz outro berlinense.

Se Merkel for obrigada a fazer uma coligação com o SPD, há quem veja nisso uma esperança de flexibilização. Para Judy Dempsey, da Fundação Carnegie, não é bem assim: “Há um mal-entendido, que vem dos trabalhistas britânicos e dos socialistas franceses, segundo o qual a Alemanha será mais flexível com o euro se o SPD entrar para o governo. Que o governo vai gastar mais, defender os direitos sociais e a Europa. Sim, o SPD defende tudo isso, mas não se esqueçam que o SPD apoiou sempre Angela Merkel, durante toda a crise do Euro”.

Na Europa, há esperanças de que estas eleições mudem a atual situação. Mas o resultado pode dar ainda mais força a Angela Merkel para prosseguir com as políticas de austeridade que afetam neste momento vários países, incluindo Portugal e Grécia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.