Última hora
This content is not available in your region

Investigações forenses em curso em Nairobi

Investigações forenses em curso em Nairobi
Tamanho do texto Aa Aa

Peritos em engenhos explosivos e investigadores forenses têm estado a passar a pente fino os escombros do centro comercial queniano, palco de uma crise de reféns durante 4 dias, Nairobi.

Para já, o número de civis mortos eleva-se a 61, além de cinco guerrilheiros islamitas e seis membros das forças de segurança.

11 suspeitos estão detidos.

O ministro do Interior está convencido de que há poucas hipóteses de haver mais vítimas civis nos destroços. “Começámos agora as investigações forenses para determinar a etnia e outros dados, estejam ou não mais corpos entre os destroços. Estamos convencidos de que haverá um número insignificante de corpos de civis, se de facto houver , à exceção dos terroristas”, declarou.

As autoridades não confirmam a existência de cidadãos norte-americanos ou britânicos no ataque, reivindicado pelas milícias somalis Al Shabab.

Os guerrilheiros, que exigem a retirada das tropas quenianas da Somália, onde lutam ao lado de uma força de manutenção de paz africana, acusam as forças de intervenção de terem usado gás e colocado em perigo a vida dos 137 civis feitos reféns. Negam a existência de mulheres no comando que provocou morte e destruição no centro comercial.

O Quénia vive três dias de luto nacional.