Última hora
This content is not available in your region

UE discute cooperação para evitar tragédias com migrantes

UE discute cooperação para evitar tragédias com migrantes
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia vai pedir maior empenho dos governos dos 28 países para evitar tragédias com migrantes como a de semana passada, na ilha italiana de Lampedusa.

À chegada para a reunião dos ministros da Administração Interna, no Luxemburgo, a comissária europeia dos Assuntos Internos, Cecilia Malmström, disse que “vou mais uma vez pedir a todos os Estados-membros para partilharem responsabilidades na recepção dos refugiados, porque apenas seis ou sete países o fazem, apesar de sermos 28 na União.”

Um das questões em discussão é como combater as redes de traficantes de seres humanos que exploram os migrantes.

O ministro da Administração Interna alemão, Hans-Peter Friedrich, afirmou que “o que está a acontecer é inaceitável! Os contrabandistas assediam cidadãos africanos com falsas promessas, ficam-lhes com o dinheiro e depois enviam-nos nestas embarcações precárias para o Mediterrâneo”.

Além da migração africana, por questões de segurança mas também para fugir à miséria, a Europa tem de dar também resposta à crise humanitária na Síria, realçou o ministro sueco.

“Há muitas vidas que se estão a perder, tanto no Mediterrâneo como na Síria. Este ano, a Suécia recebeu pedidos de asilo de 10 mil refugiados da Síria. A Alemanha e Suécia receberam 2/3 das pessoas que fogem da Síria”, realçou Tobias Billström, que tem a pasta da Migração e Política de Asilo.

A Comissão Europeia vai pedir aos governantes mais recursos para organizar uma grande operação de patrulhamento no Mediterrâneo.

Será levada a cabo pela agência europeia Frontex, que policia as fronteiras para travar a entrada de criminosos e de imigrantes ilegais.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.