Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

França: Bola parada entre clubes e governo por causa dos impostos

França: Bola parada entre clubes e governo por causa dos impostos
Tamanho do texto Aa Aa

Não deu em nada, a reunião de hora e meia entre os dirigentes do futebol profissional francês e o presidente François Hollande.

A greve aos jogos do final de novembro mantém-se, tal como se mantém a lei que impõe uma taxa excecional de 75% sobre a fatia de rendimentos superior a um milhão de euros anuais.

“Ainda temos um mês para dialogar, para tentar encontrar adaptações, não só para o futebol, mas para todas as empresas, que permitam ao futebol absorver este imposto, já que para nós nunca se tratou de não o pagar”, explicou, após o encontro, Jean-Pierre Louvel, o presidente da União dos Clubes Profissionais de Futebol.

Na prática, os clubes querem que a lei não tenha efeitos retroativos e se aplique apenas aos novos contratos.

O governo insiste no princípio de igualdade entre as restantes empresas e as futebolísticas. O ministro do Orçamento, Bernard Cazeneuve, afirma: “Ouvimos o que têm a dizer-nos mas também nos mantemos firmes, porque esta lei foi votada e deve aplicar-se em condições idênticas a todas as empresas francesas.”

Estima-se que este imposto – que se aplica às Ligas 1 e 2 – represente um total de 44 milhões de euros, só para a Liga 1. Em época de crise, as duas primeiras divisões consideram o esforço excessivo, já que registaram perdas acumuladas de 108 milhões de euros na última temporada.

A causa do futebol não sensibiliza, contudo, os cidadãos comuns, tendo em conta os salários milionários auferidos pelos futebolistas.