Última hora
This content is not available in your region

Governo grego enfrenta moção de censura por encerramento da televisão pública

Governo grego enfrenta moção de censura por encerramento da televisão pública
Tamanho do texto Aa Aa

O encerramento brutal da televisão pública grega, ERT, originou uma moção de censura ao governo. O debate da moção, apresentada pelo partido de extrema-esquerda, Syriza, começa esta sexta-feira e termina no domingo à noite, com o voto.

Durante a madrugada de quinta-feira, a polícia grega antimotim efetuou um ‘raid’ às instalações da ERT e pôs fim à emissão.

Nikos Tsimpidas é o jornalista que esteve no ar até à última palavra e conta como tudo se passou: “Quando começaram o ‘raid’ eu estava no estúdio, no ar. Um esquadrão entrou no estúdio, os polícias ficaram atrás de mim. Estava outro no exterior. Um deles, com a cara coberta, começou a filmar o que se passava. O chefe disse-me para desligar o microfone e calar-me.”

Os antigos empregados concentraram-se no exterior do edifício, onde os populares acorreram espontaneamente, em sinal de solidariedade. Marilena Katsimi, também ela, ex-jornalista da ERT diz: “A minha vida mudou porque decidi que tinha de reagir. Ninguém pode encerrar a televisão pública sem ter planeado nada para o futuro.”

Cerca de 200 pessoas foram expulsas das instalações. Emitiam ilegalmente desde que a estação foi oficialmente encerrada, no passado dia 11 de junho. A ERT será substituída, a partir de março, pela Nerit, uma estação de televisão pública “low cost”.

Fay Doulgkeri, correspondente da euronews em Atenas, conta: “As forças de polícia cercaram o edifício da ERT quando o ‘raid’ começou, e bloquearam todas as saídas. Os antigos empregados da ERT, e são cada vez mais, dizem que não desistem e pedem apoio a todos os empregados de todos os setores.”