Última hora
This content is not available in your region

Israel rejeita qualquer acordo com Irão

Israel rejeita qualquer acordo com Irão
Tamanho do texto Aa Aa

Israel continua inflexível quanto ao acordo entre as principais potências e o Irão sobre o programa nuclear de Teerão. O primeiro ministro israelita aproveitou uma reunião com membros do congresso norte-americano, que estavam de visita a Jerusalém e uma reunião com John Kerry, para reforçar que este acordo pode ser perigoso.
Benjamin Netanyahu diz mesmo que “percebe que a delegação iraniana esteja muito satisfeita com Genebra, porque não teve de fazer qualquer cedência. É um acordo mau e que Israel rejeita contundentemente.”

Netanyahu classifica este acordo como o “erro do século” porque garante que Teerão já ultrapassou todos os limites há muito tempo.
Uma acusação feita já em 2012, nas Nações Unidas.

Para negociar com o Irão, Israel exige a paralização total do enriquecimento do urânio e a destruição de todas as reservas que existam no país, o encerramento da fábrica mais importante de enriquecimento e o fim da produção de plutónio.

A chegada ao poder de Rojani, os gestos de abertura que se multiplicaram desde a última assembleia das Nações Unidas e as históricas mensagens trocadas com Barack Obama mudaram a situação. Mas nada que mude a posição de Telavive.

Houve alturas que em Israel e o Irão não eram os piores inimigos. Na época dos Shahs e da dinastia de Pahlavi, as relações eram cordeais. O Irão foi o segundo Estado de maioria muçulmana a reconhecer o Estado Hebraico. Após a revolução iraniana tudo mudou. Khomeini, antigo inimigo de Israel, regressou do exílio e chegado ao poder rejeitou o reconhecimento oficial do país e todas as relações. Voltaram os anos de ódio de parte a parte.

Só em 2005 houve um momento de esperança, durante as cerimónias fúnebres de João Paulo II: o presidente israelita e o reformista Khatami, na altura no poder, estiveram muito perto um do outro e terão mesmo apertado as mão.

Esperanças que desmoronaram rapidamente com a chegada ao poder de Mahmud Ahmadinejad. Desde o primeiro momento começou a falar em “apagar Israel do mapa”, ainda que tenha dito que foi um erro de tradução. Noutra intervenção disse que o Holocausto era um mito….

As provocações de Ahmadinejad foram, durante muito tempo, a melhor desculpa para Netanyahu denunciar o programa nuclear do Irão. Mas agora o novo presidente deseja bom ano aos judeus no mundo e denuncia crimes nazis. O primeiro-ministro israelita desconfia desta estratégia e diz mesmo que “é um discurso hipócrita e cínico de um lobo com pele de cordeiro”