Última hora

Protesto dos trabalhadores do têxtil acaba em confrontos

Protesto dos trabalhadores do têxtil acaba em confrontos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os protestos contra as más condições de trabalho numa fábrica têxtil de Phnom Pen, no Camboja, terminaram mal. Pelo menos uma mulher morreu, alegadamente vítima de uma bala real.

A manifestação dos trabalhadores desta fábrica, fornecedora de conhecidas marcas ocidentais, degenerou quando os empregados decidiram marchar até à residência do primeiro-ministro, Hun Sen, para reclamar melhores salários. Note-se que o salário médio mensal do setor, com horas extra incluídas, é de cerca de 80 euros.

Em julho, a Organização Internacional do Trabalho alertou para a degradação das condições de trabalho têxtil no Camboja, nomeadamente a falta de segurança e exploração infantil.

O protesto terminou em confrontos com a polícia. Uma ONG de defesa dos direitos humanos denunciou a “repressão levada a cabo pelas autoridades”. Houve vários feridos, incluindo monges budistas que se solidarizaram com os trabalhadores.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.