Última hora
This content is not available in your region

Parlamento ucraniano coloca em risco acordo com União Europeia

Parlamento ucraniano coloca em risco acordo com União Europeia
Tamanho do texto Aa Aa

O acordo de associação entre a Ucrânia e a União Europeia está em risco. O parlamento de Kiev, reunido em sessão extraordinária esta quarta-feira, não chegou a acordo para votar uma lei autorizando Yulia Timoshenko a deixar o país para receber tratamento médico. A antiga primeira-ministra cumpre uma pena de prisão por abuso de poder. Para a União Europeia trata-se de uma condenação política.

O líder do principal partido da oposição atirou a responsabilidade do falhanço para o partido do governo. Arseniy Yatsenzuk explicou que “a oposição apresentou quatro propostas nas duas últimas semanas” mas que a formação do presidente Viktor Yanukovitch rejeitou os quatro documentos.

Do lado do Partido das Regiões, o deputado Volodymyr Makeenko, desdramatizou a situação. “Se a cimeira de Vílnius se realizasse amanhã teríamos votado o texto hoje, mas a cimeira apenas se realiza a 28 de novembro”, explicou o apoiante do chefe de Estado.

A assinatura do acordo de associação entre os 28 e a Ucrânia está dependente da libertação de Timoshenko. Os enviados europeus consideram que ainda há tempo para salvar a situação.

“Agora o grupo de trabalho parlamentar está a trabalhar num projeto-lei que vai permitir a Yulia Timoshenko partir para o estrangeiro para se tratar. Esperamos que todas as questões e incompreensões sejam resolvidas até ao início da próxima sessão parlamentar agendada para o dia 19 de novembro” – afirmou o antigo presidente polaco Aleksander Kwasniewski.

Yulia Timoshenko sofre de hérnias discais. A Alemanha ofereceu-se para acolher e tratar o ícone da Revolução Laranja que em 2004 impediu Yanukovitch de chegar ao poder.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.