Última hora

Sensor biométrico em vez de palavra passe

Sensor biométrico em vez de palavra passe
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um quotidiano sem códigos nem palavras passe. Basta mostrar o dedo e a máquina controla a identidade do visitante.

As tecnologias biométricas começam a fazer parte do dia-a-dia.

Stephen Elliot é diretor do centro internacional para investigação em biometria na Universidade de Purdue, no Estado norte-americano do Indiana.

Os investigadores testam atualmente sistemas de identificação para computadores pessoais baseados nas impressões digitais e na íris.

“Posso usar o sistema para me registar no PC. Não é preciso mudar a palavra-passe a cada 30, 60 ou 90 dias. É uma revolução na área da gestão da identificação”, garante Stephen Elliot.

O grande desafio para os investigadores é conseguir melhorar a fiabilidade e a segurança dos dispositivos.

No caso da íris, os testes mostram que há um por cento de falsas rejeições, situações em que o sistema não reconhece a pessoa.

Quando a percentagem de erros for diminuta, a tecnologia pode ser usada em várias áreas.

“A tecnologia vai começar a ser usada para o embarque nos aeroportos mas também em produtos de consumo como os telefones, por exemplo, o iphone e o smartphone da HTC têm sensores biométricos baseados nas impressões digitais. Além da proteção da vida privada, o sistema pode ajudar a evitar transações financeiras fraudulentas. É uma das áreas de aplicação da biometria”, referiu o responsável.

Por enquanto, a tecnologia ainda não é perfeita. Por exemplo, o sensor biométrico do novo iphone 5S foi desbloqueado por um hacker recorrendo a uma impressão digital impressa. Ainda não é desta que o ritual das palavras-passe chega ao fim…

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.