Última hora
This content is not available in your region

Duras sentenças contra menores alimentam contestação no Egito

Duras sentenças contra menores alimentam contestação no Egito
Tamanho do texto Aa Aa

As duras sentenças contra um grupo de mulheres – entre as quais menores – que participaram numa manifestação pacífica em Alexandria motivaram uma nova vaga de protestos no Egito.

Desta vez não são apenas islamitas, mas também movimentos laicos e nomeadamente estudantes, que denunciam a deriva autoritária do governo instituído pelo Exército.

Durante a tarde, confrontos entre as forças da ordem e manifestantes na Universidade do Cairo fizeram um morto, o primeiro desde que foi promulgada a polémica lei que autoriza o recurso à força para dispersar qualquer protesto que não receba o aval das autoridades.

As manifestações denunciavam também um artigo da Constituição atualmente em revisão que autoriza os militares a julgarem a população civil.

A ONG Amnistia Internacional exigiu a “libertação imediata e incondicional” das 21 mulheres condenadas por terem formado uma cadeia humana contra a destituição do presidente Mohamed Morsi. Catorze adultas receberam penas de onze anos de prisão por participarem no protesto e pertencerem à Irmandade Muçulmana e sete outras, com menos de 18 anos, foram enviadas para um centro de menores.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.