A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Líderes europeus ouviram um "não" de Ianukovych

Líderes europeus ouviram um "não" de Ianukovych
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em Vílnius, os líderes europeus não conseguiram persuadir o presidente da Ucrânia a assinar um acordo político e comercial entre o país e a União Europeia.

Os argumentos de Bruxelas não demoveram Viktor Ianukovych da posição inicial.

Contudo, Catherine Ashton, a responsável pela política externa da União Europeia disse que o estabelecimento do acordo continua em aberto.

“Queremos ter uma relação forte com a Ucrânia, particularmente em termos económicos. Há muito a fazer em prol da Ucrânia e da União Europeia. Obviamente que compete à Ucrânia decidir o que pretende fazer. Tivemos boas e importantes conversações com o presidente Ianukovych. Eu diria que a porta da União Europeia continua aberta”, disse Catherine Ashton.

Ao contrário da Ucrânia, a Geórgia e Moldávia assinam esta sexta-feira acordos de associação com a União Europeia, ficando o acordo definitivo agendado para o próximo outono.

“Creio que o povo ucraniano está desapontado. Não é só a Europa. Penso que a opção dos líderes ucranianos não leva a lado nenhum”, afirmou a presidente lituana Dalia Grybauskaite.

Bruxelas mantém, contudo, que a decisão de Kiev se deve a pressões da Rússia que advertiu que poderia tomar medidas protecionistas para impedir o acesso de produtos ucranianos ao seu mercado.

“Muito em breve o presidente Ianukovych terá de encontrar soluções para a economia do seu país, atingida pela recessão. À sua frente está o pagamento uma imensa dívida. Se não o fizer, o país outrora cesto do pão da região, poderá vir a tornar-se um caso económico muito negativo“reportou James Franey, da Euronews, em Vílnius.

Está em Kiev? Envie comentários, fotos e vídeos para:witness[at]euronews.com