Última hora
This content is not available in your region

Jornalistas denunciam repressão policial na cimeira da OSCE em Kiev

Jornalistas denunciam repressão policial na cimeira da OSCE em Kiev
Tamanho do texto Aa Aa

A cimeira da OSCE que teve início esta quinta-feira, em Kiev, permitiu aos jornalistas ucranianos denunciarem a violência policial que vitimou vários repórteres. A manifestação pró-europeia contra o governo de Viktor Ianukovytch dura há dias. No domingo a polícia espancou vários profissionais, entre eles, um repórter de imagem da euronews.

“Nós viemos ao encontro dos ministros dos Negócios Estrangeiros à sua chegada à cimeira para lhes fornecer informações exatas sobre o que aconteceu aos jornalistas que estão a cobrir as manifestações contra o governo. Mostrámos-lhes fotos que mostram como a polícia impede os jornalistas de trabalharem” – explicou a jornalista Nataliya Sokolenko.

Os protestos foram desencadeados pela recusa do governo de Kiev em assinar o acordo de associação com a União Europeia. Uma recusa motivada pelas pressões de Moscovo que pretende que a Ucrânia integre uma união aduaneira com várias ex-repúblicas soviéticas.

“Eu decidi escrever ao anfitrião desta cimeira, o ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Leonid Kozhara, para lhe pedir uma ação rápida relativamente a estes ataques, que eu considero muito preocupantes. Também levantei a questão do vosso colega, Roman Kupriyanov, que foi atacado, tal como muitos outros. Pelo que sabemos, cerca de 40 jornalistas foram atacados e espancados, na sua maioria por agentes da polícia” – esclareceu a representante para a liberdade de imprensa junto da OCSE, Dunja Mijatovic.

A cimeira de dois dias foi aberta pelo primeiro-ministro Mykola Azarov que disse que os protestos na Ucrânia são normais, tal como em qualquer país europeu, e que compreende os anseios dos manifestantes, mas denunciou a presença de extremistas que pretendem ocupar os edifícios do governo.