Última hora
This content is not available in your region

Abusos com trabalhadores destacados preocupam membros da UE

Abusos com trabalhadores destacados preocupam membros da UE
Tamanho do texto Aa Aa

Construção civil, agricultura e algumas indústrias estão a abusar das regras de livre circulação de trabalhadores na União Europeia (UE), para criar mão-de-obra barata e explorada.

Algumas empresas de países mais pobres ou em crise, incluindo Portugal, destacam funcionários para países mais ricos como França, Bélgica e Holanda, mas fogem aos encargos devidos.

O secretário da Federação Europeia de Construção, Werner Buelen, afirma que “algumas empresas têm como modelo de negócio contratar empregados precários, mão-de-obra barata e para isso cometem todo o tipo de abusos. Por exemplo, falso estatuto de trabalhador independente, empresas com sede em caixas-postais, deduções de salários, não pagamento das contribuições sociais ou fraude fiscal”.

O tema vai ser debatido, esta segunda-feira, pelos ministros do Emprego da UE, reunidos em Bruxelas.

Visa travar casos como o de um empregado da construção civil português a trabalhar na Bélgica, entrevistado pela euronews, que tem um contrato que não é reconhecido pelas autoridades locais.

“Comecei a trabalhar num estaleiro onde nunca conheci o chefe da obra e sugiram problemas para obter permissão de residência no país. De repente, o contrato de trabalho não correspondia aos valores dos recibos de vencimento, o salário não aparecia nos extratos bancários e davam-me envelopes com pequenas quantias de dinheiro”, explicou Manuel Joaquim Moreira da Costa.

Alguns países, como a França e a Bélgica, querem aumentar os controlos via revisão da diretiva comunitária de destacamento de trabalhadores, criada em 1996.