Última hora

Última hora

Novo ministro alemão critica Rússia e... União Europeia

Em leitura:

Novo ministro alemão critica Rússia e... União Europeia

Novo ministro alemão critica Rússia e... União Europeia
Tamanho do texto Aa Aa

Em dia de tomada de posse do novo executivo, caiu mal na Alemanha a notícia do acordo assinado esta mesma terça-feira entre a Ucrânia e a Rússia. O recém-empossado ministro dos Negócios Estrangeiros, Frank-Walter Steinmeier, mostrou-se muito duro face ao executivo liderado pelo presidente russo Vladimir Putin, criticou a reação das forças de segurança da Ucrânia contra as manifestações pró União Europeia e apontou o dedo também a alegada passividade de Bruxelas na negociação em curso com Kiev para uma associação comercial.

“É de facto revoltante a forma como os políticos russos aproveitaram a aflição económica da Ucrânia para, em próprio benefício, impedir a associação comercial com a União Europeia. Como revoltante foi também – como todos podemos concordar – a reação das forças de segurança ucranianas contra os manifestantes”, afirmou Steinmeier, um afiliado do Partido Social-Democrata alemão que esta de regresso ao mesmo ministério dos Negócios Estrangeiros que já havia liderado entre 2005 e 2009, no primeiro mandato de Angela Merkel.

Depois dos “tiros” no acordo assinado entre Vladimir Putin e o presidente ucraniano Viktor Yanukovich e na reação às manifestaçoes pro-europeias, Frank-Walter Steinmeier criticou também a alegada passividade de Bruxelas na negociação da associação comercial com o governo de Kiev. Para o novo ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, a União Europeia não terá dado a devida importância à posição económica delicada em que a Ucrânia se encontra.

“A única coisa de que tenho a certeza é que nos apresentámos uma pacote de económico e financeiro que se revelou demasiado curto face ao que seria necessário para manter a Ucrânia competitiva e vincula-la à Europa”, acrescentou Steinmeier, que esta quarta-feira deverá viajar com a Chanceler Angela Merkel para Paris e na quinta-feira deverá rumar à Polónia, onde, tudo indica, o ministro irá retomar o tema Ucrânia.