Última hora
This content is not available in your region

Alterações climáticas cancelam Mundial de esqui na Alemanha

Alterações climáticas cancelam Mundial de esqui na Alemanha
Tamanho do texto Aa Aa

A região de Garmisch-Partenkirchen, nos Alpes alemães, é conhecida pelas estâncias de esqui. É um dos destinos preferidos dos amantes dos desportos de neve. Mas este inverno… não há neve.

Com temperaturas a baixar a negativo apenas à noite e os dias a assemelharem-se a uma primavera precoce, o fenómeno em Garmisch-Partenkirchen obrigou já ao cancelamento do Slalom Super Gigante a contar para o Mundial feminino de esqui alpino, que para ali estava marcado a 25 e 26 de janeiro.

Mas o pior ainda está por vir, antevê Juergen Schmude, professor de geografia económica na universidade de Munique: “Depois de 2050, na Alemanha não vão haver muitas zonas para esquiar. A ideia geral é de que um novo investimento faz sentido, mas isso apenas nos garante os próximos 15 a 20 anos. Depois disso, as estâncias de esqui vão ter de começar a pensar no que fazer quando se acabar o turismo de neve.”

As provas previstas para Garmisch-Partenkirchen foram, entretanto, transferidas para Cortina d’Ampezzo, em Itália, mantendo as datas.

Mas não há como evitar as alterações climáticas do planeta.
Na Alemanha, este ano, a primavera parece ter chegado mais cedo do que o previsto e, somando ao estado de saúde do herói nacional Michael Schumacher (o ex-piloto de Fórmula 1 está em coma depois de um acidente de esqui nos Alpes franceses), as imagens das pistas de esqui são desoladoras à vista dos praticantes alemães de desportos de inverno.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.