Última hora
This content is not available in your region

Processo da morte de Hariri reacende tensões no Líbano

Processo da morte de Hariri reacende tensões no Líbano
Tamanho do texto Aa Aa

A memória de Hariri está presente em toda a cidade de Beirute, mas divide os libaneses. Alguns ficam sensibilizados, mas outros ficam deveras incomodados.

Nove anos depois do crime contra a sua vida, a verdade é que a eclosão do caso Rafik Hariri, é estrondosa mas pode ser facilmente volátil e perigosa para a estabilidade do país

Já tinha exercido cinco mandatos, incluindo o de primeiro-ministro, entre 2000 e 2004, que tinha as rédeas do país quando foi divulgada a resolução do Conselho de Segurança da ONU que exigiu, entre outras coisas, a retirada das tropas libanesas da Síria e da cessação das actividades militares da milícia xiita Hezbollah, opondo-se à influência do governo sírio no seu país.

Inegavelmente, foi o que lhe custou a vida no dia 14 de fevereiro de 2005, não sendo já primeiro-ministro. O ataque contra a viatura matou 20 pessoas. Mais de uma tonelada de explosivos rasgou o céu de Beirute.

Virou-se uma página da história. O atentado, durante muito tempo atribuido a Damasco, mudou o país, emocional e historicamente, e desencadeou a revolução do cedro.

Uma série de eventos resultou numa megamanifestação, no dia 14 de março, com a participação de mais de um milhão de libaneses, um terço da população, cidadãos exasperados com este ataque atribuído aos serviços de inteligência sírios. Unidos em torno de uma reinvindicação comum: os sírios devem partir e o Líbano recuperar a plena soberania.

Pouco menos de um mês depois, o objetivo era atingido. Sob pressão popular e internacional, as tropas sírias deixaram o país depois de 30 anos de presença contínua, depois de 30 anos de ocupação e manipulação da vida política libanesa.

Mas a sombra síria não desapareceu com a retirada. A fratura entre xiitas e sunitas manteve-se. Quanto ao processo, serve apenas de meio para o conhecimento da verdade, mas vai avivar algumas tensões.

O país vive uma profunda crise política e institucional, está afetado pelos danos colaterais da guerra da Síria, os atentatos e assassínios sucedem-se.
Em dezembro, assassinaram um próximo do ex-primeiro-ministro no exílio, (Saad Hariri, filho do líder assassinado) Mohamad Chata – crítico de Assad e do Hezbollah.

Rami Khouri, analista político – Mesmo se houver um veredito claro, este processo não vai impedir outros assassínios políticos, que continuarão durante séculos. Vai tudo continuar na mesma. A verdadeira questão é: será que o processo vai ajudar as autoridades libanesas, políticas e policiais, a empregar mais meios e mais vontade para resolver, efetivamente, os problemas do interior?

O processo de Hariri e o conflito sírio apenas demonstram a continuação da linha de fratura entre libaneses: de um lado, o Hezbollah que acusa os Estados Unidos e Isarel de conspiração, simplificando tudo, quanto à Síria, ao lado de Assad contra os rebeldes.
Do outro, os sunitas do clã Hariri, que desejam que os outros sejam responsabilizados pelo crime.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.