Última hora
This content is not available in your region

Rosetta prepara revolução científica

Rosetta prepara revolução científica
Tamanho do texto Aa Aa

Vamos agora ao centro de operações da Agência Espacial Europeia em Darmstadt, onde está o apresentador do programa Space da euronews, Jeremy Wilks.

euronews:
“Este é o primeiro passo de uma missão nunca antes realizada a esta distância, 800 milhões de quilómetros da Terra. Qual a importância das decobertas que serão feitas?”

Jeremy:
Bem, terão potencial para promover uma mudança profunda, porque esta é a primeira vez, e é preciso entender isto, que alguém captou um cometa e o seguiu, lado a lado durante mais de um ano. Espera-se em seguida a colocação de sonda direita na sua superfície. E assim podemos saber o passado dos cometas como se estivessemos a olhar para eles. Já tínhamos fotos mas nunca tínhamos ido ao interior da superfície nem analisado os materiais que estão lá. Agora vamos poder saber de que matéria o cometa é feito. A razão pela qual isso é importante é que os cometas poderiam conter a água que foi trazida para a Terra há muito tempo, por exemplo. A água que temos aqui poderia ter vindo de cometas, eles também são alguns dos blocos fundamentais na construção da vida. Os cientistas deverão poder encontrá-los e confirmar, e é o que vai acontecer nos próximos anos.

euronews:
Nós estamos sempre a falar de passagem das fronteiras na exploração espacial, isso é o que Rosetta vai fazer?

Jeremy:
Bem a Rosetta está já numa espécie de fronteira no momento, porque é muito longe da Terra, é realmente no limite de onde podem começar a ter energia nos enormes painéis solares. Assim às 11 horas da manhã ela começou a acordar. Em seguida, enviou o seu primeiro sinal. Quando se trata de fronteiras científicas, quando a Rosetta alcança um cometa, como eu disse é realmente um limite para a nossa compreensão. Nunca estivemos tão perto de um cometa antes e, por isso, quando começarmos a verificar os dados, em agosto deste ano, será verdadeiramente inovador”.