Última hora

Cinco manifestantes mortos em Kiev

Cinco manifestantes mortos em Kiev
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As ruas de Kiev estiveram hoje cobertas de fumo de pneus queimados por manifestantes e gás lacrimogéneo lançado pelas forças anti-motim para dispersar os protestos.

Polícia de choque ucraniana, apoiada por blindados, retomou na tarde desta quarta-feira uma parte do centro de Kiev, depois de batalhas ferozes com os manifestantes que custou a vida a várias pessoas. Duas foram abatidas por bala. Mas desde domingo eleva-se já a cinco o número de mortos e 300 os feridos.

Manifestantes atiraram coquetéis molotov e pedras contra a polícia, e muitas pessoas isoladas ou caídas foram espancadas impiedosamente.

O presidente, Viktor Yanukovych, e membros do grupo de trabalho criado para tentar encontrar uma solução para a crise política reuniram-se com os líderes dos principais partidos de oposição.

A reunião contou com a presença do líder do partido “Udar” (greve), Vitali Klitschko, o do “Batkivschina”, Arseniy Yatseniuk, e ainda o Liberdade, Oleg Tiagnibok, pela oposição. As conversas, que foram o primeiro passo concreto para terminar dois meses de agitação, terminaram, cerca de três horas mais tarde sem qualquer solução.

A crise eclodiu em novembro passado altura em que o presidente abandonou um acordo comercial com a União Europeia em favor de um apoio financeiro da Rússia para ajudar a pagar a dívida pública ucraniana.

Cinquenta pessoas foram detidas nas últimas horas e 29 deles foram oficialmente acusadas de tomar parte na agitação. Um total de 167 polícias foram feridos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.