A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Crimeia dividida entre Kiev e Moscovo

Crimeia dividida entre Kiev e Moscovo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Escaramuças junto ao Parlamento da Crimeia, que acabou por adiar, para esta quinta-feira, a discussão sobre se apoia as novas autoridades de Kiev ou avança para a reunificação com a Rússia.

O dia foi de grande tensão com duas manifestações simultâneas à porta do Parlamento. De um lado, tártaros que defendem a unidade da Ucrânia. Do outro, a maioria russófona que quer voltar para os braços de Moscovo.

Ainda com a memória da deportação ordenada por Estaline em 1944, os tártaros são irredutíveis defensores da unidade da Ucrânia, país que os convidou a regressar à terra natal depois da independência da União Soviética em 1991.

Do outro lado da barricada, muitos russófonos querem que a península da Crimeia regresse à grande Rússia, de que fez parte até meados do século passado e onde o Kremlin tem a base militar da estratégica frota naval do Mar Negro.