A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Moshkin Ghalam um bailarino iraniano em Paris

Moshkin Ghalam um bailarino iraniano em Paris
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Shahrokh Moshkin Ghalam, bailarino e coreógrafo iraniano, radicado em Paris, para onde se mudou em criança, conjuga a dança com a música e as velhas lendas iranianas mas também com a literatura persa:

“A música, a poesia, a literatura, a dança têm todas a mesma natureza, são as diferentes camadas da arte. Ao ouvir música a sua imaginação começa a dançar, as notas dançam. Acredito que todos os que fecham os olhos, ao ouvir uma música, estão a senti-la com o seu coração e eu tento apenas sincronizar-me através da sua imaginação”, explica o intérprete.

Moshkin Ghalam não se restringe, geograficamente, nas suas coreografias, ele tenta quebrar os limites:

“Não acredito que possamos dizer que esta é, estritamente, uma dança oriental ou iraniana, não é, acredito que não. Eu tento não me limitar a isso, nem sequer penso nisso”, afirma o bailarino.

A arte da dança no Irão, desde a Revolução Islâmica, está limitada pela censura. Resume-se às danças folclóricas, com homens apenas, todas as outras estão proibidas:

“Os padrões no Irão são diferentes. Não podemos comparar os padrões de artes iranianos com os internacionais. Isto não acontece com todas as artes. Na escultura, caligrafia, pintura e até mesmo no teatro existem padrões internacionais, mas na dança não. A dança que se faz no Ocidente não existe no Irão”.