Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ucrânia: Crimeia cada vez mais distante de Kiev

Ucrânia: Crimeia cada vez mais distante de Kiev
Tamanho do texto Aa Aa

Vive-se uma espécie de contrarrevolução na região ucraniana da Crimeia, “um jogo muito perigoso”, segundo diplomatas europeus.

A bandeira russa foi hasteada no Parlamento de Simferopol depois de um grupo armado ter invadido o edifício onde ainda continua barricado.

A NATO está “extremamente preocupada” com os últimos acontecimentos na península de maioria russófona do sul da Ucrânia, que pretende realizar um referendo sobre a autonomia no mesmo dia (25 de maio) em que estão agendadas as presidenciais antecipadas.

Nas ruas de Simferopol, um pró-Rússia afirma que, “em Kiev, 2000 bandidos armados tomaram de assalto o poder e destituíram o presidente eleito e as autoridades legitimas. Não quero dizer com isto que o antigo regime era bom, mas que estão a substituir velhos ladrões por novos criminosos”.

A república autónoma da Crimeia tem sido disputada. A grande maioria dos habitantes, russófonos, apoia Moscovo e sonha com uma reunificação ou pelo menos com mais autonomia. Os tártaros não esquecem a deportação imposta por Estaline durante a Segunda Grande Guerra e são irredutíveis defensores da unidade da Ucrânia. Os confrontos já fizeram pelo menos dois mortos e mais de 30 feridos, esta semana.

“Não vamos chamar o nosso povo para lutar, mas tenho medo que a situação poderia seja usada por extremistas radicais, incluindo pessoas da Crimeia. Se e quando seja derramada a primeira gota de sangue, assim que morrer uma pessoa, será quase impossível travar a violência”, referiu um representante do Conselho dos Tártaros.

Segundo o enviado da euronews a Simferopol, Sergio Cantone, “a situação na Crimeia é cada vez mais perigosa. E esta ação (o assalto ao Parlamento), numa perspetiva política, parece uma reação ao que está a acontecer em Kiev a um nível político mais geral”.