Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cantora iraniana apoia comunidade homossexual e choca país

Cantora iraniana apoia comunidade homossexual e choca país
Tamanho do texto Aa Aa

A rainha iraniana da pop, Googoosh, lançou um vídeo de apoio à comunidade gay e lésbica do país.

Este gesto de uma das principais figuras culturais do país, no exílio, causou uma onda choque na república islâmica, onde o tema é tabu e a homossexualidade pode levar à condenação à pena de morte.

Navid Akhavan, é um realizador alemão, de ascendência iraniana, assina a direção do vídeo e afirma que “nas primeiras 24 horas o vídeo estreou nos sites persas. Houve mais de meio milhão de cliques no primeiro dia. Isso mostra que esse assunto é algo que… Quer se esteja contra ou a favor, chama sempre a atenção.”

Googoosh foi a primeira cantora popular do Irão, cuja carreira foi interrompida após a revolução de 1979.

Depois de emigrar para o Ocidente, a sua música continuou bastante presente na diáspora iraniana e na cultura do submundo do Irão. Ao abordar o tema da homossexualidade, trouxe a discussão para a ordem do dia, no país.

“Causou discussão, o que é muito bom. Muitos escreveram que mudou as suas vidas. Os comentários e mensagens que recebemos, desde o lançamento do vídeo, mostram que este foi o primeiro passo para a mudança, com certeza, pois, antes disso, o assunto nem sequer era abordado. Quando se falava sobre isso era de um modo mau, como algo imoral. Dizia-se que não era certo, que estavam doentes, que precisavam de ajuda e são punidos. No pior dos casos são condenados à morte. Agora a discussão está a um nível, completamente, diferente. O primeiro passo foi com este vídeo “, afirma Navid Akhavan.

Googoosh viaja por todo o mundo com a mensagem: “Liberdade de amar para todos”. Com este novo trabalho a artista espera que a sociedade iraniana se torne cada vez mais tolerante.