Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Obama quer mais sanções contra a Rússia por causa da Ucrânia

Obama quer mais sanções contra a Rússia por causa da Ucrânia
Tamanho do texto Aa Aa

Barack Obama discutiu a crise na Ucrânia com os líderes do Congresso, esta quinta-feira, um dia em que o Presidente norte-americano assinou uma lei em que oferece 1000 milhões de dólares em garantias de empréstimos a Kiev e apela à aplicação direta de sanções a pessoas ligadas à anexação da Crimeia à Rússia.

A NATO negou entretanto ter violado os acordos com a Rússia quando decidiu aumentar a presença militar na Europa de Leste na sequência da crise que se vive na Ucrânia.

Segundo o número dois da Aliança Atlântica, “uma parte fundamental da resposta da NATO à crise com a Rússia por causa da Ucrânia consiste no reforço dos meios de dissuasão e em dar uma garantia visível aos aliados na linha da frente”. Alexander Vershbow mostrou-se “satisfeito por ver esse tipo de garantia visível e os meios de dissuasão em ação”, durante uma visita a uma base da NATO na Lituânia.

A Aliança Atlântica expressou, nos últimos dias, uma “grave preocupação” pela forte presença militar russa junto à fronteira com a Ucrânia, que permitiria ao Kremlin ocupar grande parte do país em menos de uma semana.

Moscovo garantiu entretanto que as tropas que estão junto à fronteira com a Ucrânia vão regressar às bases quando terminarem os exercícios militares em curso e o Kremlin quer um esclarecimento da NATO sobre o reforço militar na Europa de Leste para além de ter criticado o facto de navios de guerra dos Estados Unidos terem, “por duas vezes”, ultrapassado o o tempo de permanência máxima no Mar Negro, tal como foi acordado.

Os Serviços Secretos russos (FSB) anunciaram, esta quinta-feira, a detenção de 25 ucranianos, suspeitos de terem cometido atentados em diversas regiões da Rússia.

Antes, o Kremlin tinha negado o envolvimento de agentes russos na morte de perto de 90 pessoas em Kiev, durante incidentes junto à praça da Independência no mês de fevereiro.