Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ruanda: Paris só envia embaixador ao aniversário do genocídio

Ruanda: Paris só envia embaixador ao aniversário do genocídio
Tamanho do texto Aa Aa

A França só será representada pelo seu embaixador na cerimónia, em Kigali, para assinalar os vinte anos do genocídio no Ruanda.

O aniversário da tragédia é motivo de tensão entre os dois países, depois do presidente ruandês ter acusado a França de participar juntamente com a Bélgica – antiga potência colonial – na preparação do massacre que fez 800.000 mortos em 1994.

O governo francês anulou a deslocação prevista da ministra da Justiça, afirmando que as declarações de Paul Kagamé “são contrárias ao processo de diálogo e reconciliação encetado há vários anos”.

Paris e Kigali tinham feito uma frágil reaproximação em 2010, quando Kagamé foi recebido no Eliseu pelo então presidente Nicolas Sarkozy.

A atriz Carole Karemera, uma das poucas defensoras da língua francesa no seu país de origem diz que “é um idioma que estava de certa forma estigmatizado como sendo o idioma do poder [no Ruanda], que deixou acontecer ou facilitou o genocídio. Mas agora é preciso dizer que já não estamos na época da ‘África francesa’”.

Vinte anos depois do genocídio perpetrado por extremistas hutus contra a minoria tutsi, Paris e Kigali mantêm posições antagonistas sobre o papel da França e da sua operação militar e humanitária no Ruanda.