Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ucrânia: encontro de Geneva adivinha-se difícil

Ucrânia: encontro de Geneva adivinha-se difícil
Tamanho do texto Aa Aa

As primeiras discussões diretas entre os chefes da diplomacia norte-americana, russa, ucraniana e europeia em Genebra adivinham-se difíceis.

Ainda antes da chegada do secretário de Estado John Kerry à cidade suíça, os Estados Unidos indicaram estar a “preparar ativamente” novas sanções contra a Rússia.

Já em Genebra, o ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros disse que Kiev pretende que “a Rússia retire as tropas das fronteiras orientais da Ucrânia e que deixe de apoiar atividades terroristas nas regiões do Leste do país”. Andryi Dechtchitsa acrescentou que Kiev pretende também que, durante a reunião de hoje, “a Crimeia seja confirmada como parte integrante da Ucrânia”.

No Conselho de Segurança, a Rússia acusou a ONU de “parcialidade”, criticando o relatório elaborado pela missão de direitos humanos enviada pelas Nações Unidas, que contradiz a maior parte dos argumentos do Kremlin na crise ucraniana.

O embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, defendeu que “algumas delegações dizem compreender os planos das autoridades ucranianas para usar a força contra os cidadãos. Os resultados são claros: os que instalaram o poder em Kiev pela força escolheram ignorar as exigências dos habitantes do sudeste do país”.

A representante norte-americana, Samantha Power, acusou Moscovo de conduzir “uma campanha profissional e bem orquestrada de incitação à violência, ao separatismo e à sabotagem do Estado ucraniano”.