Última hora

Última hora

Funerais da vítimas do naufrágio na Coreia do Sul

Em leitura:

Funerais da vítimas do naufrágio na Coreia do Sul

Funerais da vítimas do naufrágio na Coreia do Sul
Tamanho do texto Aa Aa

As vitimas do naufrágio da Coreia do Sul começaram a ser sepultadas, perante o inconformismo das famílias e amigos.

Lágrimas de dor e revolta, pelas vítimas de um acidente que ainda está por explicar.

As contas não estão fechadas, mas presume-se que tenham morrido cerca de 300 passageiros, a maioria, estudantes, com idades compreendidas entre os 16 e os 17 anos.

Mais de 200 jovens ainda estão dados como desaparecidos, mas as esperanças de os encontrar com vida são remotas.

Foram resgatados 174.

Os mergulhadores continuam a tentar aceder ao interior do navio, na esperança de resgatar mais corpos.

Grande parte deles deve estar no salão do restaurante.

As reuniões entre as famílias e as autoridades têm decorrido num clima tenso.

Os pais acreditam que ainda podem encontrar os filhos com vida:

“Estou frustrada com as operações de resgate, muito lentas. Eles estão a mergulhar há quatro dias, mas nenhum progresso foi feito. Eles não conseguem entrar no navio para descobrir os jovens. Até podem estar a morrer de fome”, diz uma mãe.

E outra completa:

“Nós, os pais também estamos a morrer, aqui na margem. O tempo está-se a esgotar e nós estamos ansiosos. Este tempo pode ser reversível. Os jovens podem estar lá em baixo, na água fria”.

O navio era comandado por um piloto experiente. O capitão Lee Joon-seok, de 69 anos, no momento do acidente, tinha passado os comandos para o seu terceiro oficial.

Foi dos primeiros a abandonar o barco.

Já foi detido e vai ser presente à justiça.

Os pedidos de desculpa não são suficientes para o ilibar..

Os pedidos de desculpa