Última hora
This content is not available in your region

Kiev acusa Moscovo de querer "terceira guerra mundial"

Kiev acusa Moscovo de querer "terceira guerra mundial"
Tamanho do texto Aa Aa

A retórica belicista intensifica-se. O primeiro-ministro ucraniano acusou a Rússia de “querer lançar uma terceira guerra mundial” ao apoiar os separatistas no leste da Ucrânia. Arseni Iatseniouk apelou à comunidade internacional para se “unir contra a agressão russa”.

Em conselho de ministros, esta sexta-feira, o chefe de Governo interino declarou: “O mundo ainda não esqueceu a Segunda Guerra Mundial e a Rússia já quer lançar uma terceira.”

Já o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, acusou o Governo de Kiev de “crime de sangue”, um dia depois das tropas ucranianas terem feito vítimas mortais entre os separatistas de Slaviansk. “Eles estão a lutar contra a própria população. Isto é um crime de sangue e os que incitaram o exército a fazê-lo vão pagar e enfrentar a justiça”, lançou.

Por outro lado, Lavrov acusou os Estados Unidos de querer denegrir a Rússia, julgando o tom do homólogo norte-americano, John Kerry, “inaceitável.

O presidente norte-americano considera aplicar novas sanções contra Moscovo. De visita a Seul, na Coreia do Sul, Barack Obama anunciou que iria consultar os principais dirigentes europeus a propósito de um novo pacote de sanções. Washington considera que Moscovo não fez nada para aplicar o acordo assinado na semana passada em Genebra.

Face à troca de recados, Angela Merkel falou diretamente com Vladimir Putin. A chanceler alemã manifestou ao presidente russo a sua preocupação e disse esperar que o Governo russo trabalhe para a aplicação do Acordo de Genebra.

O documento foi assinado a 17 de abril entre Estados Unidos, União Europeia, Rússia e Ucrânia, prevendo o desarmamento dos grupos ilegais e a evacuação dos edifícios públicos ocupados – tanto da parte dos separatistas no leste, quanto dos pró-ocidentais em Kiev. Washington e Moscovo acusam-se mutuamente de não aplicar o acordo.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.