Última hora

Última hora

"Cortina de ferro" na UE divide muito ricos dos muito pobres

Em leitura:

"Cortina de ferro" na UE divide muito ricos dos muito pobres

"Cortina de ferro" na UE divide muito ricos dos muito pobres
Tamanho do texto Aa Aa

Após vários anos de expansão da União Europeia (UE), o continente parece estar mais unido, mas na realidade existe uma “cortina de ferro” que divide o Leste do Ocidente.

A nossa equipa visitou o estado-membro mais rico (Luxemburgo) e o mais pobre (Bulgária) da UE para perceber o que está por detrás dessa assimetria e o que poderia Bruxelas fazer para combater a pobreza.

A maior rua comercial de Sófia, capital da Bulgária, não nos dá muitos sinais de que este é o mais pobre dos 28 países da UE.

Mas a poucos quilómetros do cento surge Fakulteta, um bairro com 30 mil pessoas, na maioria de etnia cigana, muito marcado pelo desemprego e pobreza, como contam os próprios moradores.

“Mesmo sem um emprego, temos de nos sustentar, mas ninguém nos ajuda”, diz um dos habitantes. “Algumas pessoas são honestas, mas outras só roubam e vivem de esquemas. A polícia às vezes finge fazer alguma coisa”, diz outra.

Graças à assistência prestada pela Fundação para a Saúde e o Desenvolvimento Social, as coisas começam a mudar lentamente.

A trabalhar com a comunidade há 15 anos, Elena Kabakchieva já vê alguns resultados: “A idade em que os jovens se casam passou dos 14/16 anos para os 18/20 anos, em média. O abandono escolar é agora muito menor do que costumava ser antes de terem acesso aos nossos serviços”.

A fundação gere um jardim de infância e dá apoio às famílias. Os projetos são co-financiados pela UE, mas Elena Kabakchieva diz que é preciso uma abordagem mais ambiciosa.

“Todos os especialistas nesta área estão convictos de que são necessárias medidas a longo prazo”, refere.

O “cancro” da corrupção

Com a queda do regime comunista, há 25 anos, a economia entrou em colapso e ainda não recuperou. O rendimento médio mensal per capita é de pouco mais de 300 euros.

Contudo, desde a adesão em 2007, o país recebe da UE muitos milhões de fundos comunitários.

O jornalista Assen Yordanov diz que “a corrupção na Bulgária é como um cancro que mina toda a sociedade”.

Os projetos de desenvolvimento em zonas turísticas do Mar Negro são o exemplo dado por Assen Yordanov. Áreas protegidas foram desclassificadas para serem vendidas a investidores que depois as revenderam por um preço 100 vezes mais elevado.

“Apostar na construção civil não é a melhor forma de desenvolver o país e o seu turismo. É antes a oportunidade para que algumas estruturas de oligarcas e mafiosas possam encher os bolsos”, diz o jornalista.

O deputado Ivalo Kalfin, de centro-esquerda, reconhece que o padrão de vida na Bulgária está longe do que seria desejável ao fim de sete anos na UE.

“Os cidadãos esperavam muito mais a nível social, o que não aconteceu. Já os jovens, os empresários ou os cientistas estão mais apetrechados para aproveitar o que vem da UE”, explica.

Podemos ver esse otimismo em Maria Angelova, de 26 anos, editora num sítio da Internet dedicado a viagens.

“Agora consigo ver muitas coisas a mudar e muitos dinheiro europeu é investido em bons projetos. Acho que, passo a passo, muito lentamente, as coisas vão melhorar”, diz a jovem.

“Qual problema? Não há problemas aqui!”

Em contraste com Bulgária, o Grão Ducado do Luxemburgo é o país mais rico da UE, com um rendimento médio per capita de 3200 euros.

O pequeno país, com meio milhão de habitantes, apostou nos setores bancário e de comunicação.

A euronews teve dificuldade em encontrar quem esteja descontente com a qualidade de vida, quando o repórter perguntou “qual é o maior problema no Luxemburgo?”

“O maior problema? Na verdade vivo aqui há já vários anos e gosto muito. Não vejo que haja qualquer problema”, disse uma residente. “O maior problema? Não vejo nenhum problema, é tudo tranquilo, bem organizado. É um prazer viver e trabalhar neste país”, respondeu outro.

O enviado da euronews, Sandor Zsiros falou com Harlan Koff, professor na Universidade de Luxemburgo, sobre as assimetrias sociais na UE, que começou por explicar o sucesso do Luxemburgo.

Harlan Koff/professor de Ciências Sociais da Universidade de Luxemburgo (HK/professor): “Em primeiro lugar, o país encontrou um nicho a nível económico, que é o setor bancário. Em segundo lugar, o Luxemburgo dá muita importância à estabilidade e não apenas ao crescimento. Isso significa que há uma classe média forte no Luxemburgo. “

Sandor Zsiros/euronews (SZ/euronews): “O que explica a extrema pobreza que vemos nalgumas regiões da Europa?”

HK/professor: “Nessas regiões da Europa a que se refere, a classe média está a sofrer de forma muito significativa. Está a ficar para trás e a encolher. São regiões que a nível económico estão dependentes das fábricas, construção civil, indústria e por isso estão a ficar para trás. Esses são os setores onde o desemprego está a aumentar mais na União Europeia.”

SZ/euronews: “Pensa que a corrupção é um fator que também explica a pobreza?”

HK/professor: “Penso que a corrupção é um fator, mas não é simplesmente uma questão de subornos. Quando falamos de corrupção, também falamos das redes de pressão informais que influenciam a forma como os líderes fazem a legislação. A falta de regulamentação põe em causa a confiança no Estado, cria desconexões entre o estado, por um lado, e o mercado, por outro, criando um sistema paralelo. Quando os cidadãos trabalham no sistema paralelo ficam em risco, vulneráveis e isso leva à pobreza”.

SZ/euronews: “Pensa que a União Europeia foi bem sucedida na luta contra as assimetrias sociais na Europa?”

HK/professor: “A UE investiu muito em infra-estruturas. Agora o problema é que, depois de terem criado as infra-estruturas, não têm sido capazes de resolver alguns problemas mais estruturais em diversas regiões, como o da economia paralela”.

SZ/euronews: “O que mais deve fazer a UE no futuro nesta área em concreto?”

HK/professor: “A chave para enfrentar a pobreza – se encarada do ponto de vista estrutural – está no reforço da classe média. Isso significa apostar num desenvolvimento equitativo. Mas, por exemplo, 52 milhões de europeus não têm sequer acesso a uma conta bancária. A UE começou agora a abordar essa questão do direito a ter uma conta bancária. É impossível sair da pobreza ou criar uma classe média forte quando os serviços bancários não são acessíveis seja para abrir conta, obter um empréstimo ou um cartão de crédito.”