A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Ghery vence Siza Vieira na corrida ao Príncipe das Astúrias nas Artes

Ghery vence Siza Vieira na corrida ao Príncipe das Astúrias nas Artes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O arquiteto Frank Ghery, de 85 anos, foi o distinguido este ano para receber o prestigiado prémio Príncipe das Astúrias nas Artes. O norte-americano, nascido no Canadá, era um dos cinco arquitetos candidatos ao galardão espanhol este ano e acabou por ser o eleito.

O anúncio foi realizado esta quarta-feira, a partir do Hotel da Reconquista, em Oviedo, pelo presidente do júri, o empresário e antigo ministro espanhol José Lladó. A concurso estavam 36 candidaturas, oriundas de 19 países, incluindo Portugal através do também arquiteto Álvaro Siza Vieira, conhecido responsável, entre várias obras, da reconstrução do Chiado, em Lisboa, e do Centro Galego de Arte Contemporânea, em Santiago de Compostela.

Tal como em 2012 e pela sexta ocasião em 34 edições dos prémios Príncipe das Astúrias, o vencedor foi um arquiteto. Frank Ghery sucede na distinção aos homólogos Óscar Niemeyer (Brasil, 1989), Francisco Javier Saenz (Espanha, 1993), Santiago Calatrava (Espanha, 1999), Norman Foster (Reino Unido, 2009) e Rafael Moneo (Espanha, 2012). O norte-americano já havia sido candidato a este prémio noutras edições, nomeadamente na do ano passado, na qual foi suplantado na escolha pelo cineasta austríaco Michael Haneke.

Frank Ghery nasceu a 28 de fevereiro de 1929, em Toronto, no Canadá. Reside desde adolescente em Los Angeles, nos Estados Unidos, para onde se mudou com os pais em 1947. Formou-se em arquitetura em 1954, na Universidade do Sul da Califórnia e começou a exerceu no ateliê de Victor Gruen.

Especializou-se em Urbanismo, em Harvard, em em 1961, mudou-se para Paris com a mulher e as duas filhas. Trabalhou com André Remondet e, em 1962 voltaria a Los Angeles para estabelecer o próprio ateliê, Frank O. Ghery and Associates. Daí partiu à conquista do mundo através da arquitetura.

Em 1989, foi distinguido com o mais prestigiado prémio da arquitetura mundial, o Pritzker, e a esse título viria a juntar muitos outros, sendo o mais recente o anunciado esta quarta-feira em Oviedo.

Entre as obras incontornáveis de Frank Ghery destacam-se, claro, o Museu Guggenheim, de Bilbau, em Espanha; o Walt Disney Concert Hall, em Los Angeles, Estados Unidos; e a Casa Dançante, em Praga, na República Checa.

Portugal também está ligado ao arquiteto norte-americano. Em 2003, foi convidado por Santana Lopes, à altura presidente da Câmara de Lisboa, para elaborar a reabilitação urbana da zona do Parque Mayer – projeto que viria a ser descartado anos depois pelo executivo de António Costa.

O arquiteto americano assinou ainda, em 2012, para a uma coleção de tapeçarias empresa Ferreira de Sá. Os tapetes Frank Ghery foram avaliadas em cerca de 650 euros o metro quadrado e estiveram em exibição em Nova Iorque.

Mais recentemente, o norte-americano assumiu o projeto de um ambicioso hotel de cinco estrelas na Guarda, a convite da empresa hoteleira Cegonha Negra.

Para o júri da Fundação Príncipe das Astúrias, a escolha de Ghery para o prémio justifica-se pela “relevância da obra” do norte-americano “em numerosos países, dando um significativo impulso à arquitetura no último meio século”: “Os seus edifícios caracterizam-se por um jogo de formas complexas, pelo uso de materiais pouco comuns como o titânio e pela inovação tecnológica que teve repercussão também noutras artes”, explicou o presidente do júri, o antigo ministro espanhol José Lladó.

Ghery foi distinguido depois de ter sido incluído numa lista de três finalistas, ao lado do compositor espanhol Cristóbal Halffter, igualmente de 85 anos, e do artista de vídeo também norte-americano Bill Viola, de 63. De fora da decisão final ficaram, para além de Siza Vieira, outros artistas famosos como o pianista chinês Lang Lang, o compositor estónio Arvo Pärt ou a cineasta belga Agnès Varda.

O prémio das Artes é o primeiro a ser conhecido de entre as sete categorias destacadas desde 1980 pela Fundação Príncipe das Astúrias. Seguem-se os das Ciências Sociais (13 e 14 de maio), Comunicação e Humanidades (20 e 21 de maio), Investigação Científica e Técnica (27 e 28 de maio), Literatura (3 e 4 de junho), Cooperação Internacional (11 e 12 de junho) e Desporto (17 e 18 de junho).

Cada vencedor irá receber uma escultura de Joan Miró, 50 mil euros, um diploma e uma insígnia. A entrega dos prémios realiza-se em outubro, no Teatro Campoamor, de Oviedo, numa cerimónia presidida pelo próprio Filipe de Bourbón, o principe herdeiro da coroa espanhola e responsável pela fundação a que deu nome.

Portugal apresenta habitualmente candidaturas aos prémios Príncipe das Astúrias e já arrecadou alguns. A Universidade de Coimbra e o ex-presidente da República Mário Soares, por exemplo, receberam o prémio na categoria de Cooperação Internacional, respetivamente, em 1986 e 1995.