Última hora

Última hora

Papa Francisco surpreende todos na Terra santa....como se esperava

Em leitura:

Papa Francisco surpreende todos na Terra santa....como se esperava

Papa Francisco surpreende todos na Terra santa....como se esperava
Tamanho do texto Aa Aa

Todos esperavam atitudes espontâneas do Sumo Pontífice durante a viagem de três dias ao Médio Oriente, e Francisco não desilude ninguém. Quando chegou à Cisjord’ania reuniu-se imediatamente com Mahamud Abbas e inistiu na necessidade de “redobrar esforços e iniciativas” para criar as condições para “uma paz estável, baseada na justiça”.
Em Belém, nesta a segunda etapa da visita à Terra Santa, quando se dirigia para o local de celebração de uma missa para mais de 9 mil pessoas, Francisco quebrou o protocolo e fez uma paragem não programada junto ao muro que separa a Cisjordânia de Israel.
“Quando João Paulo II foi à Polónia teve início a queda do regime socialista, porque não poderá Francisco trazer a paz ao Médio Oriente?”, testemunha uma argentina.
“Rezamos com todo o coração para cessar aqui a opcupação israelita, o sofrimento, as mortes sem motivo. Esperámos esta visita de esperança para o nosso povo, para que possa ser livre, com um Estado e com Jerusalém como capital”, admite um palestiniano.
O ato inesperado de Mahmoud Abbas, ao subir ao altar, para abraçar Francisco, no momento da saudação na Missa, foi outro dos pontos altos desta visita Papal à Terra Santa. No final da missa que celebrou na Praça da Manjedoura, em Belém, foi a vez de Francisco surpreender o mundo com o convite aos presidentes de Israel e da Autoridade Palestiniana para uma jornada de oração pela paz, no Vaticano, que pode ocorrer já em junho.
O enviado especial da euronews à Terra Santa, Luis Carballo, explica que “o Papa Francisco marcou esta visita com o seu estilo direto e acessível, apesar dos riscos de segurança ligados à sua escolha de circular sem viatura blindada, para estar mais perto das pessoas. Quis assim demonstrar que é preciso não ter medo, que é algo que faz lutar as pessoas umas contra as outras.”