Última hora
This content is not available in your region

Participação elevada nas presidenciais ucranianas

Participação elevada nas presidenciais ucranianas
Tamanho do texto Aa Aa

As eleições ucranianas registam uma elevada participação em todo o país, com exceção do leste da Ucrânia, onde o receio de violência dificulta o voto.
De acordo com os observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), o escrutínio foi cuidadosamente organizado.

Cerca de 36 milhões de eleitores são chamados este domingo às urnas, na Ucrânia. Estas eleições representam para muitos ucranianos o culminar de meses de protestos contra um governo corrupto e a chance de realizar as reformas exigidas pelos manifestantes de Maidan.

O favorito deste escrutínio é Petro Poroshenko, a quem as últimas sondagens davam mais de 30 por cento das preferências de voto.
A antiga primeira-ministra Iulia Timoshenko surgia nestas sondagens em segundo lugar, com apenas seis por cento.

Depois dos acontecimentos dos últimos meses, as pessoas percebem que nestas eleições se joga o destino do país.

Uma jovem mulher sublinhou que o país vai ser agora governado pelos ucranianos:

“Estas eleições vão ajudar a impedir que a nação vizinha interfira nos nossos assuntos – vamos ter um presidente legítimo e vamos construir o nosso futuro na Ucrânia com as nossas próprias mãos”

Uma esperança partilhada por outro habitante de Kiev:
“Precisamos de um governante firme e capaz de tomar decisões, um homem cujas ações possam ajudar, fíisica e moralmente, a resolver a situação nas regiões em conflito”

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.