A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Futebol ensina valores aos jovens

Futebol ensina valores aos jovens
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Todas as crianças têm um sonho. Para muitas, esse sonho é jogar futebol e um dia levantar uma taça. O sonho pode começar aqui.

Mais de 400 adolescentes, dos 12 aos 14 anos, vindos de toda a Europa, participaram no Football For Friendship, um fórum organizado em Lisboa, durante a final da Liga dos Campeões, por um dos principais patrocinadores do evento.

Dezasseis equipas e escolas de futebol da Europa participaram no torneio de futebol de rua. Mais que a competição, o importante aqui foi conhecerem-se, fazerem amigos, aprenderem a respeitar-se e passar estes ensinamentos aos outros.

“O desporto pode mudar o mundo”. Foi este espírito que o embaixador global deste projecto, Franz Beckenbauer, nos explicou: “Foi Nelson Mandela quem disse essa frase. Ele tem razão, temos aqui o melhor exemplo. Temos 16 equipas de 16 países diferentes. Não se conhecem, falam diferentes línguas, têm cores de pele e religiões diferentes. Mas quando lhes damos uma bola para as mãos, começam a jogar e respeitam-se. Isso é muito, muito importante”.

Tradição, fair play, amizade, saúde, igualdade, vitória, devoção – são valores fundamentais destacados pelos organizadores e embaixadores desta iniciativa. É o caso da antiga estrela da seleção portuguesa, o mítico guarda-redes Vítor Baía: “Amizade, igualdade, prática de uma vida saudável. Os estudos são também algo muito importante. A parte pedagógica é importantíssima e deve ser transmitida a estas crianças. Devem compreender que, se querem ser alguém no futuro, terão que ter esse cuidado”.

O caminho para curar as doenças do futebol é longo. Mas os esforços que estão a ser feitos são já um bom começo, como explica Vyacheslav Krupenkov, diretor da filial alemã da Gazprom: “Não sei se este fórum vai conseguir mudar o futebol, mas pode pelo menos mudar a atitude. Nos relvados, continuamos a ver racismo e violência. Esperemos que as crianças percebam que o futebol é algo de bom e generoso”.

Ajudar os jovens a crescer e colocá-los no bom caminho. Deve ser essa a função do desporto, mas o divertimento também é importante, como diz o antigo capitão da seleção ucraniana, Anatoliy Tymoshchuk: “Para mim, este é um evento muto importante. Foi com grande prazer que vim cá, porque os jovens têm a oportunidade de jogar num torneio como este e isso é uma excelente ideia. Quando era jovem não tive essa oportunidade”.

16 países, 16 línguas, um só sonho: ser jogador profissional, como os ídolos. Mas quem é o favorito? Para muitos, trata-se de Cristiano Ronaldo. Outros têm outras preferências: “Gostava de ser como o Iniesta, mas para mim vai ser difícil. Ser como o De Rossi já seria bom”, diz um jovem.

O Benfica foi vencedor do torneio. Depois, foi altura de todas as equipas rumarem ao Estádio da Luz para assistirem ao triunfo do Real Madrid sobre o Atlético, na final da Champions. Talvez alguns destes jovens possam, um dia, também levantar esta taça.