Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Egito: fraca afluência às urnas no terceiro dia das presidenciais

Egito: fraca afluência às urnas no terceiro dia das presidenciais
Tamanho do texto Aa Aa

É o tudo por tudo para contrariar uma elevada taxa de abstenção. A comissão eleitoral do Egito decidiu prolongar por mais um dia as eleições presidenciais, mas a manhã ficou marcada por uma fraca afluência às urnas.

Nos últimos dois dias, muitos eleitores foram pressionados a exercer o direito de voto. Outros queriam tê-lo feito, mas foram impedidos.

“Inicialmente, o meu marido proibiu-me de votar. Fiquei muito contente por saber que tinham prolongado o processo eleitoral porque, esta quarta-feira, consegui finalmente exercer o meu direito de voto” refere a eleitora Aziza Anwar.

Muitos eleitores decidiram, no entanto, ficar em casa já que a vitória de Abdel Fattah al-Sisi é dada como certa.

No estrangeiro, e de acordo com os dados oficiais, o ex-chefe das Forças Armadas terá recolhido perto de 300 mil votos, enquanto Hamdeen Sabahi – o único adversário político de al-Sissi – não terá ultrapassado os 17 mil.

O candidato de esquerda já denunciou várias irregularidades nesta votação. Nada que surpreenda os apoiantes de Mohamed Morsi – o único presidente eleito democraticamente no Egito após a queda de Hosni Mubarack – que acabou por deposto por Al-Sissi à pouco mais de um ano.