A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Iraque: "Jihadistas" clamam conquistas mas Governo garante resistência

Iraque: "Jihadistas" clamam conquistas mas Governo garante resistência
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No decurso do processo armado de conquista territorial no Médio Oriente, que já levou inclusive os Estados Unidos a debruçar-se sobre o tema – ainda que de forma para já passiva -, as forças armadas “jihadistas” do proclamado Estado Islâmico do Iraque e do Levante, conhecido pela sigla inglesa ISIL (“Islamic State of Iraq and Levant”), colocaram na internet alguns vídeos do que dizem ser postos fronteiriços que conquistaram ao exercito iraquiano.

A “jihad” do ISIL passa por destruir algumas das fronteiras estabelecidas na região onde outrora existiu o Império Otomano, dissolvido no início do século XX, por alturas da Primeira Grande Guerra, através de um tratado entre britânicos e franceses, com aval da Rússia. Os rebeldes sunitas pretendem estabelecer uma nova nação islâmica com Bagdade incluída e colocaram por isso a capital iraquiana como um objetivo de conquista.

O novo território deverá integrar também parte do Curdistão, no norte, motivo pelo qual, na última semana, as forças armadas do ISIL tomaram o controlo de Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, capital da província de Nínive e já parte da região autónoma curda. Esta conquista levou o Curdistão a colocar em alerta o exército para defender a região do avanço desta “jihad” sunita.

As últimas notícias oriundas de Mossul dão conta de que de 12 líderes religiosos locais, conhecidos como imãs, foram mortos e os corpos queimados pelos rebeldes armados do ISIL. Fonte do Ministério do Interior do Iraque garantiu que os religiosos foram mortos por terem recusado jurar lealdade à lei islâmica apregoada pelo grupo sunita.

Em Samarra, cerca de 100 quilómetros a norte de Bagdade, esteve, entretanto, o primeiro-ministro iraquiano. Nuri al-Maliki revelou que está a ser formado um grupo voluntário de resistência armada. O objetivo deste grupo será o apoio aos militares iraquianos no combate ao avanço dos “jihadistas” sunitas rumo a Bagdade.

Depois de o Presidente dos Estados Unidos se ter colocado à margem de uma eventual nova intervenção militar americana no Iraque, por causa desta insurgência armada sunita, que muitos temem poder degenerar numa nova Al-Qaida, o chefe de governo iraquiano garantiu que o país está pronto para se defender deste ataque e aproveitou a presença em Samarra para rezar num altar xiita emblemático desta cidade.