Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ultimate Cell: uma ideia simples com cunho português

Ultimate Cell: uma ideia simples com cunho português
Tamanho do texto Aa Aa

Como poupar combustível e reduzir as emissões poluentes? Foi precisamente para responder a esta questão que uma empresa portuguesa, a Ultimate Power, criou o “Ultimate Cell”. Trata-se de um dispositivo que se liga ao sistema elétrico da viatura e utiliza a energia da bateria. Os fabricantes afirmam que permite uma poupança de 30% no consumo médio de combustível e uma redução de 65% nas emissões de gases; e isto com quase todo o tipo de motores, seja a gasolina, gasóleo ou gás.

O dispositivo produz hidrogénio através da eletrólise, o que significa separar as moléculas de hidrogénio e oxigénio presentes na solução à base de água que se encontra no interior do aparelho.
A seguir, o hidrogénio entra no motor através da conduta do ar. O hidrogénio segue para a câmara de combustão, juntamente com o ar, misturando-se com o combustível. O hidrogénio otimiza a combustão, reduz o combustível necessário para se obter a mesma potência. O professor Tribolet do Instituto Superior Técnico de Lisboa explica como se poupa combustível.

“Devido à tecnologia que se usa, a partir de pequenas bolhinhas de hidrogénio injectadas na admissão, a combustão que se dá é muito mais completa, portanto o carro fica com mais força, e efectivamente a mesma quantidade de combustivel gera muito mais força motriz do que anteriormente, e isso dá uma poupança até 30% nos veículos”.

Todas as unidades são sujeitas a testes antes de seguirem para o mercado. Simula-se o funcionamento no carro e todas as ligações elétricas são testadas, assim como a quantidade de hidrogénio produzido. Segundo professor Tribolet, já foram criadas tecnologias que envolvem a utilização de hidrogénio nos carros mas sempre como combustível e nunca como otimizador de combustível.

“Esta aproximação tecnológica com base no hidrogénio tem sido explorada ao longo de muitos anos, já houve muitas promessas à volta disto, muitas! Mas sempre a usar o hidrogénio como combustível. Aqui a ideia não é esta. É uma ideia mais simples. Não exige tanques pressurizados, guardar grandes quantidades de hidrogénio, grandes investimentos, isto significa um pequeno investimento ao nivel do consumo”, adianta o professor Tribolet.

O “Ultimate cell” já foi instalado em alguns barcos de pesca. Aqui são necessárias várias unidades porque cada dispositivo serve apenas para 2.3 litros. O fumo de escape foi reduzido de forma significativa. Um barco de pesca normal consome normalmente 140 litros de gasóleo por hora. Após a instalação dos dispositivos constatou-se uma redução de 20% no consumo. Assim, um tanque cheio dura não cinco mas seis dias.

Nos veículos pesados também se notaram melhorias. Por exemplo, há menos necessidade de trocar de mudanças porque o binário aumenta a rotações mais baixas. A produção e venda deste dispositivo começou no início do ano e já foram vendidas 5 mil unidades a cerca de 300 euros cada uma. Cada unidade dura cerca de 70 mil quilómetros antes de ter que ser recarregada.