Última hora
This content is not available in your region

"Irão prefere Iraque unido"

"Irão prefere Iraque unido"
Tamanho do texto Aa Aa

Com os combatentes do Estado islâmico do Iraque e do Levante a ameaçarem o capital iraquiana Bagdade e a deixarem o país no caos, os Estados Unidos equacionam uma solução com o Irão sobre a crise iraquiana.

Uma eventual partilha do país poderia ser equacionada, mas é pouco provável, como explica o iraniano Masoud Alfak, especialista em assuntos do Irão e do Médio Oriente. “A divisão do Iraque vai ser discutida se for apresentada como solução e não como problema. Mas penso que por agora, o Irão prefere um Iraque unido em vez de dividido. A maioria dos países não concordam com um Iraque dividido porque muitos são multiétnicos e multirreligiosos, por isso não quer uma situação que os poderá infetar. Por exemplo, o Irão é um país multiétnico – existem curdos, árabes, Beloush e turcos, tal como a Arábia Saudita com os chiitas, os sunitas e os Ismaili. O mesmo se aplica na Turquia, na Síria…” , explica.

Sobre a unidade do país, Masoud Alfak descreve o que se passa. “Uma grande parte dos chiitas é contra Maliki. Nós sabemos que o Ayatollah Sistani pediu aos iraquianos para lutarem contra o que chama de terroristas, mas durante dois anos recusou-se a encontrar-se com Maliki. Ammar Al Hakim, líder do Supremo Conselho Islâmico do Iraque opõe-se a Maliki, tal como, e mais importante ainda, Muqtada al-Sadr, o líder do exército de Mehdi, um grupo chiita. Ele é contra Maliki. Uma vez afirmou: «não foi o exército iraquiano que perdeu a batalha em Mossul, mas sim o exército de Maliki». Existem profundas divisões no país”, diz Alfak.