Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Mauritanos deverão reconduzir atual presidente

Mauritanos deverão reconduzir atual presidente
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente da Mauritânia, Mohamed Ould Abdel Aziz, é o grande favorito dos cinco candidatos às eleições presidenciais deste sábado, boicotadas pela maioria da oposição e que têm como principal incógnita a taxa de participação.

Os militares foram às urnas sexta feira e o resto do eleitorado prepara-se para exercer o seu direito de voto este sábado.

A oposição radical critica o caráter “ditatorial” do regime de Mohamed Ould Abdel Aziz, um antigo general que chegou ao poder através de um golpe de Estado em agosto de 2008 e que foi eleito para um primeiro mandato em 2009, num escrutínio já contestado pela oposição.

“Ao meio-dia e trinta e cinco o nível de participação era de cerca de 70 por cento.”

Além do Presidente Aziz, disputam a presidência dois líderes de partidos da oposição moderada, Boidiel Ould Houmeid e Ibrahima Moctar Sarr

O correspondente da euronews comenta:

“As vozes dos militares, sem dúvida, em favor do titular, não só porque ele é um velho general, mas também pelo que ele elevou o seu nível moral e material.”

O Presidente cessante conseguiu em seis anos livrar o país de grupos radicais islâmicos ligados à al-Qaida, segundo Aziz, graças “à reorganização da capacidade do exército e das forças de segurança”, com a assistência técnica da França, ex-potência colonial.

O chefe de Estado, presidente em exercício da União Africana (UA) até 2015, também continua envolvido na resolução do conflito no vizinho Mali, onde conseguiu em maio a assinatura de um cessar-fogo entre grupos rebeldes e o exército depois de um súbito recomeço das hostilidades em Kidal (nordeste).

Situada entre a costa oeste de África e o deserto do Saara, a Mauritânia é vista pelos líderes ocidentais como estrategicamente importante na luta contra o terrorismo, também no Mali e na região do Sahel.

Vasto país desértico com 3,8 milhões de habitantes, a Mauritânia é rica em ferro, o peixe abunda nas suas águas e explora petróleo desde 2006, tendo registado uma taxa de crescimento de seis por cento em 2013, enquanto a taxa de inflação é inferior a cinco por cento.